domingo, 24 de janeiro de 2010

As várias fases de um amor

Título: As várias fases de um amor
Autora: Uiara Rosiene Melo
Gênero: Poesia
Sinopse: Este livro representa a expressão literária de uma escritora jovem macaense dedica ao resgate da memória da cultura brasileira e da paixão pela poesia. Seus textos poéticos retrata fragmentos de sua infância, e da sua juventude.. dos encontros e desencontros com a vida. É um ótimo livro, com uma gosta leitura.

Uiara

UIARA

Perdido nas cachoeiras,

cercado de verdes pedras,

embaixo, um lago de águas mui claras,

de repente..., estrondoso mergulho ouvi.

Chamou-me logo à atenção,

nadava igual a um peixe,

linda, engmática, hipnótica...

Anjo misto em sereia,

negros, lisos e longos cabelos.

Pele morena "queimada" de sol,

subiu para as pedras, beleza..., pura beleza...

Deusa, rainha, princesa de um reino distante...

Lábios divinos, dentes em brilhantes,

olhos vigilantes...

Um pequeno nariz tornava mis lindo o sensual semblante...

Atônito fiquei... Disseram-me que nãoexistias...

Entoou seu canto mágico,

sem a cera de Ulisses, indefeso permaneci...

Deliciou-me aquela melodia...

Apaixonado, encantado, hipnotizado...

Lutei para não mergulhar entre as pedras...

Minha presença Ela percebeu, olhou-me...

Estático, paralisado...

Resistente..., recobrei a razão, saltei para abraçá-la...

Evaporou-se por entre as minhas mãos...

E assim, num ligeiro mergulho, perdi a minha Uiara...


Amauri Carius Ferreira (Augusto de Sênior)

domingo, 17 de janeiro de 2010

Enfim o meu vizinho foi dormir

  Já era tarde da noite quando resolvi abrir a janela do meu quarto, devido o calor que estava fazendo neste dia. Fazia tempo, que eu não via o mundo pela janela do meu quarto. Notei que muitas coisas haviam mudado desde então. As árvores da minha infância já não existiam mais, dando lugar a casas semi-terminadas e aos arranha-céus. E nesse observar da vida além de mim, não pude deixar de olhar uma sacada do prédio ao leste da minha janela. A porta estava aberta e as luzes acessas, com certeza teria alguém acordado assim como eu.

  E olhando vi uma sombra se movimentando dentro daquele cômodo. Corri para buscar o meu binóculo, para ver melhor, já que não tinha nada para fazer mesmo. Passaram-se minutos e minutos, nada. O sono estava chegando. -É melhor eu ir dormir - pensei. Sai da janela e fui trocar de roupa. Assim que voltei para cama, dei uma ultima olhada. E lá estava ele - o vizinho do leste-. Suspirei ao ver aquele belo corpo nu, na beira da porta.

- Safado. - falei baixinho para mim mesma.

  Continuei a olhar. De repente ele olhou em minha direção e bateu com as mãos. Fiquei sem graça e me escondi atrás da cortina. Dei um tempo ali. Voltei a olhar logo depois, e ele estava fazendo atividades físicas em pelo.

- Mas, que merda é essa! Esse homem é tarado, só pode. Fazer essas coisas de porta aberta. - resmunguei sem tirar os olhos de lá.

   Ele parou, pegou uma toalha e passou por todo o seu corpo suado, me levando a delírio. Não posso negar que já estava ficando ofegante. Ele era muito descarado, sempre olhando em minha direção, como se quisesse me provocar. O telefone tocou, fui atender. Felizmente era engano, desliguei e retornei a janela. Ele não estava mais lá.

- Oras, para onde ele foi? - Pensei

   Resolvi deitar me na cama para esperar ele voltar. Fechei os olhos e a imagem dele em pelo veio em minha mente, acabei cochilando. E nesse breve cochilo sonhei que ele havia entrado em meu quarto, me pego de jeito e me possuído de uma forma sensível, mais gostosa. Acordei ofegante. Fui até a janela, para dar a ultima olhada. E lá estava ele de novo, só que de uma forma diferente. Ele estava sentado em uma cadeira de frente para mim. Imaginem o que ele estava fazendo (rs)? Ele estava se acariciando, corpo todo molhado, me provocando. Eu excitada, aproveitei o embalo e me acariciei também. Ele gemeu alto que do meu quarto escutei, mas, eu estava muito ocupada para olhar. Eu cheguei ao ápice do meu deleite. Assim que recuperei o fôlego, voltei para a janela. E lá estava ele, colocando uma toalha envolta do corpo vindo até a sacada. Ele olhou para mim e sorriu. Eu acenei timidamente de volta. Ele então, gesticulou como se estivesse chamando. Eu me fiz de desentendida e não respondi, e isso foi um sacrifício. Ele insistiu várias vezes, mas não fui. - Ele é tarado.- minha mente me alertava. Dei-lhe um leve sorriso. O vizinho então, entendeu como um tchau, entrando apagou a luz e enfim o meu vizinho foi dormir. Eu satisfeita e feliz, fechei a minha janela e fui dormir também.

Autora: Uiara Melo

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Rosa-Chiclete

Que bosta. Isso mesmo, bosta. Estou travada completamente. Tenho três romances para finalizar e não consigo, estou sem inspiração. Aff! E nada pior, que uma sexta-feira, chuvosa, vizinho com dor de cotovelo ouvindo música alto, nada de bom na Tv (tirando, BBB e a Fazenda - brincadeira).. E garanto que se eu for dormir agora irei sonhar com os ex (ninguém merece).

 Frases do momento:

 * Sei que já fui bonita um dia.

* Faz o seguinte. "Rala peito" da minha vida, pois o que eu quero, você não é capaz de me dar... Choquei!! >( Some!!

* Não vivo sem um amor... alguém?

* Pra que irei me derreter com as suas insignificantes palavras. Palavras são só palavras, muitas das vezes elas não vem do coração.

OBs.: O meu vizinho me deu uma idéia de um conto picante. Já postarei aqui..

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010