terça-feira, 27 de outubro de 2009

O pessoal tem cada uma heim?!

Navegando atoa na net achei esses videos. Gentem eles são podres ahaha muito bom....

Storm Trooper Tokyo Dance
Storm Trooper Tokyo Dance


The REAL Batman
The REAL Batman


Muito bom..... só figuras..

domingo, 25 de outubro de 2009

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Brincadeira, diversion, Jouer, Spielen....

Oieeee........ asdfsahdfsahdha, hoje estou feliz :)

Brincadeira ahahahahaha, (mas que palhaça). Bom, nada de interessante hoje, só passei para dizer que estou participando da Promoção Crepúsculo do Fantástico e agradeço ao meu amigo Rafael (nossa, e que ajuda),a minha mamaimmm Regina (valeu mãeee), e também o pessoal lá comunidade (brincadeira). Eu sempre quis agradecer em algum evento (tenho que fazer a lista para quando eu ganhar o Oscar). Mais nada para falar, i'm crazy... until finally I make the first in English (rs).
Uma dúvida? Nos chat's quando queremos escrever que estamos rindo pacas é só : ahahahah ou rs ou ajajajaja ou :). Agora como faz isso em inglês? Como escrever que está rindo em inglês, polonês, latim, ou chinês? Humm alguém sabe?
Video meu:

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Garrafa mensageira..

  Hoje estou me sentindo uma garrafa mensageira, carrego dentro de mim uma mensagem de amor, um sonho a dois, algo que não sei explicar exatamente. Me jogo no mar e me deixo levar pelas ondas, marolas… sigo viagem, na esperança de ser encontrada pela pessoa certa. O meu amor é egoísta, seletivo. O meu amor não quer qualquer um, ele sabe muito bem o que deseja. Isso é só um desabafo de um coração solitário.  Um coração que procura aquele que realmente será o seu companheiro e não um fanfarrão. Só procuro uma companhia, aquele que queria ler os meus textos, aquele que queria rir comigo da piada mais tola, aquele que guarde os meus mais profundos segredos, aquele que chore comigo nos momentos mais difíceis, aquele que reze comigo nos momentos de angustias. Não peço muito, eu só peço aquilo que eu preciso para me completar. Eu só preciso dele.

Até….

 

Obs.: Hoje estou muito emotiva…. chorei..

Autor: Uiara R. Melo

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Comparativo : Romance “Vidas Secas” de Graciliano Ramos com o filme “Abril Despedaçado” de Walter Salles.

° Vidas Secas

  Drama dos retirantes diante da seca implacável e da pobreza que leva a um relacionamento seco e doloroso entre as personagens.

    Fabiano – O chefe de família, homem rude e quase incapaz de expressar os seus pensamentos em palavras.
    Sinhá Vitória – Sua esposa que tem um intelectual mais elevado, no qual ele admira.
    Menino mais novo – Quer realizar algo que posso ser notado pelo pai, despertando assim uma admiração do irmão mais velho e da cachorra Baleia.
    Menino mais Velho - Descobre a palavra INFERNO o que o leva a uma curiosidade onde procura esclarecer com a, já que o seu pai é ignorante pra isso.
    Balei - A cachorra da família, que segue fiel a eles a ponto de dividir a sua comida. No se esquecendo do papagaio o seu melhor amigo.
    Soldado Amarelo - O representante da lei na cidade, é corrupto e acaba virando o inimigo de Fabiano durante toda a história.
    Tomás da Bolandeira - Dono da fazenda onde a família se abrigou durante a tempestade.

° Abril Despedaçado

  História de duas famílias Breves e Ferreira que vivem no sertão entre a pobreza e a seca. Que disputam de forma drástica a posse das terras tirando vidas dos membros de suas famílias. É intimista e trágico, e sua riqueza está na forma com que mostra o desejo de seus personagens por alterar uma condição que lhes é opressora.

    Pai - O chefe de família, ignorante que induz o filho Tonho a vingar-se da morte do seu filho mais velho, trabalha na bolandeira esmagando cana para fazer rapadura que irá ser vendida na cidade. Depois de uma briga com Tonho ele perde os bois que o ajuda na bolandeira.
    Mãe - Oprimida a aceitar esta vida de pobreza, trabalho maçante, e a perda gradual de seus filhos, ajuda o seu marido na bolandeira. Depois de perder o seu filho mais novo, ela toma coragem e deixa Tonho ir embora para viver uma vida livre.
    Tonho – Um rapaz sem expectativas, que não concorda com briga entre as famílias, é obrigado a matar quem matou o seu irmão. Tudo muda quando Tonho, já condenado à morte, descobre o amor no sorriso de Clara, a malabarista que deu o livro ao menino e que se apresenta na cidade ao lado. A sua morte, que já estava marcada para acontecer, já não lhe importava mais, pois ele tinha encontrado o amor, que o fez ver a vida de uma forma diferente, tem um bom relacionamento com o irmão mais novo. Depois da morte do seu irmão mais novo, Tonho decide por um ponto final naquela briga e vai embora de casa.
    Menino - Filho mais novo da família, que vai de encontro a luz, ele nos conduz durante toda a história, é contador de metáforas, preocupado com o irmão Tonho, ajuda a família na bolandeira. Mas quando ele conhece a Clara e o Salustiano, tudo muda. Eles (Clara e Salustiano) o presenteiam com um livro de história, que o leva a criar a sua própria só com a leitura das imagens do livro, porque não sabe ler. Seus pais nem se deram ao trabalho de dar um nome ao menino. Para quê, se ele estava fadado à morte? Pois é esse menino que representa o não-conformismo pelas tradições, a possibilidade de poder sonhar e acreditar naquilo que ele não via. Apesar de não possuir um nome, o menino consegue dar asas à imaginação e, por isso, serve de ponte para que Tonho também consiga extravasa seus sentimentos reprimidos no seio familiar. Em terra de cegos, quem enxerga é rei. Esse rei sem nome que vai mostrar a Tonho que há vida fora de sua casa, do canavial, da bolandeira de onde tiram o sustento da casa. Sendo muito questionador, ao ver a felicidade do seu irmão, ele se lança à morte em seu lugar.
    Salustiano e Clara - uma dupla de artistas mambembes em uma cidade vizinha atiça a curiosidade do garoto de descobrir o mundo lá fora. Um presente dado pela dupla é o crucial para que  a descoberta aconteça: um livro. Clara se apaixona por Tonho e mostra a ele que a vida tem sentido, amor, e prazeres também. Salustiano da um nome ao menino que passa a se chamar Pacu.
    Sangue Amarelo - É a espinha dorsal da história. Quando a hora chega, o sangue da camisa está amarelo, observação que é uma sentença de morte.

Sonhar X Realizar X Desejar
    Sonhar: 3 Ver (alguém ou alguma coisa) em sonho, conviver ou comunicar-se com, em sonho: Sonhava o faraó com sete vacas gordas e outras sete magras. A moça sonhou com sua falecida mãe., 6 Alimentar, pôr na imaginação: Agora, vive sonhando viagens (ou: com viagens) 7 Pensar constantemente em (alguém ou alguma coisa); ter a idéia fixa: Sonha Irene com altas e belas realizações. Não sonhava o tarado de Zola em possuir uma mulher; sonhava em matá-la. Sonhar acordado: devanear, fantasiar absurdamente.
    Realizar: 1 Tornar real ou efetivo: Conseguimos realizar os nossos desígnios. 2 Pôr em ação ou em prática; efetuar, efetivar, 4 Considerar como reais (os seres abstratos).
    Desejar: 1 Ter desejo de; ambicionar, apetecer: "Desejou Zaqueu ver a Cristo" (Pe. Antônio Vieira). Desejo-lhe a maior felicidade. 2 Exprimir o desejo de: Ao despedir-se, desejou-lhe boa viagem. 3 Ter gosto ou empenho em: Desejava a sua queda e trabalhara para ela. 4 Cobiçar: Desejar coisas alheias. 5 Querer para algum fim: Desejava-a para secretária. 6 Querer possuir: Não a amava, desejava-a. 7 Sentir desejos: Sente fome o espírito de quem deseja.
    Depois de pesquisar no dicionário o significado de sonhar, realizar e desejar percebi algo em comum entre os personagens Sinhá Vitória, cachorra Baleia e o Menino, pois existe neles a perseverança em tornar real aquilo que sonham, e desejam. A Sinhá Vitória tem o sonho no qual deseja um dia ter uma cama, em que possa repousar o seu corpo cansado, e seus pés calejados de tanto rodar pelos caminhos árduos do sertão. A cachorra Baleia, antes de morrer, passa por momentos difíceis. Baleia “sonha e deseja acordar feliz num mundo cheio de preás. Lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes”. O Menino, sonha e deseja conhecer a sereia do mar, pois todos que vivessem em seu reino seriam tão felizes que morreriam de tanto rir, ele sonhava com a liberdade, e com o fantástico.

Bibliografia:

Dicionário, Michaelis. Ed. Melhoramentos Ltda. 1998
Salles, Walter. Abril Despedaçado, filme drama. Brasil 2001
Ramos, Graciliano. Romance: Vidas Secas. 1938

Autora: Uiara Rosiene Melo

TE TRAÍ!

Esta manhã eu acordei em um lugar estranho
A primeira coisa que me veio à cabeça foi:
– Onde estou?
Olhei em volta, estava em uma cama com lençóis de cetim.
Só estava com as peças intimas.
Que sensação estranha, mas ao mesmo tempo prazerosa.
Bom, ainda bem.
Era um quarto muito discreto, não havia muitos detalhes.
Logo me levantei e percebi que eu não havia dormido só naquela noite passada.
Realmente não me lembro o que fiz na noite passada.
Coloquei-me de pé e fui terminar de me arrumar.
Ouvi um barulho em outro cômodo,
Fiquei surpresa e com medo ao mesmo tempo me aproximei, e encontrei uma pessoa a qual eu tivera talvez feito alguma coisa.
Essa pessoa se virou para mim e disse:
– Bom dia, dormiu bem?
Eu respondi:
– Sim, mas como isso foi acontecer, somos tão diferentes.
E me respondeu:
– Quando duas pessoas querem a mesmas coisas, elas não são tão diferentes assim. Eu e você somos tão iguais que você ainda não se deu por conta.. Vou terminar de me arrumar, pois terei que sair. Beijos
– Ok.
Terminei de tomar um simples café, e tratei de voltar para casa.
Quando cheguei vi você, sentado ali no sofá fazendo hora para ir trabalhar.
Mas que m... você ultimamente só sabe fazer isso de sua vida.
Não resistir e tive que lhe contar, por mais estranho e cruel que fosse.
Você não pode adivinhar como eu senti prazer em fazer isso, pois você é um lixo.
E quer saber te traí sim.
Como uma pessoa que poderia ser Maria, João, Francesca, Lili, Daniel,
Paulinho, Rafaela, Pedro e etc...

Uiara R. Melo

Os Nomes das Crianças x Pai contra Mãe

Produção textual dos seguintes textos: “Os Nomes da Criança” e “Pai contra mãe”.

    No texto “Os Nomes da Criança”, é muito cruel quando nos deparamos com a realidade onde o autor descreve que nós brasileiros urbanos desenvolvemos a nossa cultura criando nomes para as crianças “esquecidas” pela sociedade como: Menino-de-rua, menino-na-rua, flanelinha, prostituta infantil, bezerrinha, ninfeta-de-praia, michê, menina-Paraguai, delinqüente, infrator, avião, pivete, trombadinha, pagãos-civis, meninos-do-lixo, etc.. Isso é uma lastima. E no texto “Pai contra Mãe”, nos deparamos com o racismo, a discriminação e a miséria em chamas, onde a dificuldade de uma família em criar o seu filho, ao ponto de abandoná-lo, ficando evidente no trecho “...desesperado e sem saber o que fazer para sustentar o filho, o pai chega ao extremo de ter que optar por colocar o bebê na Roda dos Enjeitados, para a criança não morrer de fome”, no qual o leva a cometer crueldade com uma terceira pessoa que não era uma pessoa qualquer e sim uma escrava para se prevalecer.

    É muito interessante como os textos estão interligados a raça, a pobreza, a educação, a miséria, o poder, a falta de sentimento e o respeito ao próximo. Pois ao ler o primeiro texto percebemos a frieza e o descaso em que tratamos essas crianças que por algum motivo não estão sendo assistidas por um “adulto” ou por um órgão competente, porque nem sempre elas estão ali por que querem, e sim porque são obrigadas. Embora a sociedade esteja focada a uma ignorância coletiva que acarreta a criação de apelidos para classificar essas crianças as sua condições sociais, e isso não significa que devemos nos cegar diante a esse fato, devemos sim problematizá-lo. Para encontrarmos uma solução. E no segundo texto, fala sobre a relação do dominador para com o dominado e a piedade de sobrevivência (condição humana), e dos dramas paralelos de um pai contra mãe, onde o indivíduo é capaz justificar a troca de uma vida pela outra, mesmo cometido o maior dos crimes. E onde fica a criança, nisso? E o direito de termos os nossos filhos e desejar-lhe a liberdade? E sempre a ignorância e o egoísmo prevalecem caídos no descaso.

    Como dito no primeiro parágrafo, é cruel a dimensão de exclusão e sofrimento de uma classe infantil não privilegiada com as oportunidades econômicas, que se deixam envolver por caminhos obscuros da vida, e ao nascer são tiradas o direito de vida dando “oportunidade” a outras.

 

Autor: URM.

Ler e prazer - Crônica de Rubem Alves

Comentário sobre a crônica de Rubem Alves “Ler e prazer”.

  Texto muito bom, as citações que ele faz de alguns poetas é interessante. Que por coincidência me faz refletir sobre a idéia defendida pelo Paulo Freire em seu livro “A Importância do ato de ler”, no qual a leitura deve se partir de um todo de uma leitura de mundo. Se for obrigatória como o Rubens Alves impôs aos adolescentes (no qual peca também o professor sem expectativa), é visível, e fatídico que eles não iriam se interessar pela leitura do livro proposto, ao invés de apreciarem um belo dia ensolarado na praia. Só que estrategicamente ele leu o livro para eles poupando-os de uma leitura maçante. Com isso possibilitando-os a uma nova perspectiva aquela história, pois esta, sendo contada e não lida o prazer era maior. Eles, porém, ficando apenas com um dever, o de imaginar. O prazer na leitura é a mágica do saber e da imaginação, tanto na criança quanto no adulto. Por,que sinceramente, ninguém gosta de ler obrigado, ler só por ler não se aprende só se decora (leitura alienada). Não devemos nos esquecer que esta leitura deverá ter conteúdo, algo que possa contribuir para o crescimento intelectual e social do indivíduo. Os educadores deviam por natureza despertar nos alunos esse habito pela leitura, mas a nossa sociedade ainda doente, não permite que este gomo da cultura chegue até os nossos alunos. É até engraçado estar comentando sobre este assunto  que inclusive só vim ter uma participação ativa  no meu estudo acadêmico, no qual ainda tenho algumas dificuldades em aderi-la a minha rotina, mas quando começo a ler um livro que o assunto me interessa, esta leitura me faz viajar sem sair do lugar. E para finalizar destaco dois atos importantes para o ser humano, LER e BRINCAR, não há coisas melhores.

Autor: URM.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rio Olimpíadas 2016!!

Apesar dos pesares, de toda violência, e de toda desgraça. Nós precisamos de alegria, oportunidades e esperança. Acreditar em nossos sonhos, construindo objetivos a serem conquistados. É isso aí, vamos acreditar que tudo irá dar certo e que o mundo pode sim mudar. Como disse o nosso Presidente Lula, nós podemos sim, ser os melhores, porque somos capazes disso. É muito prazeroso ver a nossa bandeira ser erguida em outros país para mostrar que estamos vivos e que somos uma nação que se ergue a cada caída. Eu adoro ver a bandeira da nossa pátria nos quatros cantos do mundo, ainda tenho muito o que me orgulhar com a raça, a gana, a tenacidade do povo, dos esportistas brasileiro. E isso, sem dúvida irá proporcionar mais empregos e mais oportunidade aos nossos jovens a concorrem a uma medalha. Valeu Brasil, que venha a Olimpíada 2016.